Ribeira de Pena

Entre o Minho e Trás-os-Montes - Contrastes e Simbioses

Ribeira de Pena é outro dos concelhos das Terras de Basto, em que o rio Tâmega e os seus afluentes têm um papel preponderante, não só por determinarem os respetivos vales, como também pela paisagem verdejante e pelos terrenos agrícolas próximos, sempre de pequena propriedade.

Ribeira de Pena tem, a par dos rios já referidos, serras, como a de Alvão e toda a região de Barroso, de maciços rochosos que, em conjunto com o verdejante dos vales, lhe dão paisagem de grande beleza que já lhe tem valido o nome de “Sintra de Trás-os-Montes”.
Ribeira de Pena foi assim designada por ficar numa zona de ribeiras, de cursos de água. Outrora tinha a sua sede na povoação de Venda Nova e quase foi extinto aquando da reforma administrativa que teve lugar no séc. XIX – manteve-se devido à anexação do antigo concelho de Cerva, tendo ganho mais algumas freguesias.

  • Onde?

    Ribeira de Pena, pertence na totalidade ao Distrito de Vila Real, com a Serra do Alvão e o Parque Natural com o mesmo nome, ali tão perto.
    Como dito, a sede do concelho era outrora no lugar de Venda Nova, onde começava a desenvolver-se a vila de Ribeira de Pena. Hoje o antigo edifício da Câmara Municipal abriga o Museu da Venda Nova, que proporciona a visita dos vários lugares do concelho, contando a sua História.
    Após as mudanças políticas do séc. XIX, a sede do concelho mudou-se para o lugar do Rosário, junto à Igreja Matriz – começou então a surgir, em redor da Matriz e dos Paços do Concelho o aglomerado que daria origem à atual Vila de Ribeira de Pena.

    Rib de Pena - Igreja do Salvador e Matriz

  • O quê?

    Ribeira de Pena teve o seu primeiro foral dado por D. Afonso IV, em 1331, tendo o segundo sido atribuído por D. Manuel II, altura em que o território do concelho era consituído pelas paróquias do Salvador e de Santa Marinha e ainda parte da área que hoje é a freguesia de Stº Aleixo.
    D. Nuno Álvares Pereira, teve posse de várias propriedades no concelho, por via do seu casamento com D. Leonor Alvim. Dentre essas propriedades, a Qtª da Temporã fez parte do dote da sua filha, quando desposou o filho bastardo de D. João I, dando origem à Casa de Bragança
    Ribeira de Pena é um concelho cuja atividade principal é a agricultura e criação de gado, em terrenos frequentemente inundados pelo extravasar das águas do rio Tâmega, de tal maneira que, no início do séc. XX foi construída uma ponte, a chamada Ponte de Arame – ponte suspensa, para que obviasse ao isolamento de várias povoações, nomeadamente Stº Aleixo de Além Tâmega. Esta ponte, hoje preservada, pela originalidade e importância que teve, foi desativada nos anos 60 do mesmo século e substituída por outra “de pedra e cal”.

    Ribeira de Pena - outra vista                Rib de Pena - Ponte de Arame 

  • Património a descobrir

    Ribeira de Pena
    - Igreja do Salvador ou Igreja Matriz
    - barroca, séc. XVIII, beneficiando das riquezas que eram enviadas do Brasil, por um emigrante, Manuel José de Carvalho que, antes de sair da sua terra, prometeu mandar construir uma igreja, no caso de fazer fortuna. Enriqueceu de facto e, em 1759 manda carta em que se compromete em financiar a construção da igreja à exceção do “carreto das pedras”- foi destruída a antiga capela do Salvador, para aproveitamento das pedras. Foi nesta nova igreja que casou Camilo Castelo Branco.

    Rib de Pena - Igr do Salvador, Matriz

    - Ponte de Arame - é uma ponte constituída por cabos de arame entrelaçados, com um estrado de madeira, e que serve para atravessar o Tâmega. 

    Rib de Pena - Pte de Arame

    - Casa Temporã – a que foi dada por D. Nuno Álvares Pereira à sua filha, em dote, quando desposou o filho bastardo de D. João I

    Rib de Pena - Casa Temporã

    - Coreto de Ribeira de Pena 

    Rib de Pena - o coreto

    - Casa do Barroso
    – no lugar de Bragadas – esta casa tem uma arquitetura curiosa, dentro da rural do séc. XVIII. Ela tem, num canto pouco visível, um belo portal em granito, brasonado e, virada a sudoeste, uma fachada com cantaria fina à volta de uma pedra de armas de grande dimensão colocada ao cimo de uma escadaria incompleta. Não se sabe por que razão as obras não foram concluídas. Camilo Castelo Branco, que por ali passava, escreveu um conto, sobre a casa, denominado “História de uma Porta” e, a sua versão, imaginária, foi adotada como “verdade”. O brasão pertenceu, por carta régia de 1756 a Domingos Francisco Pena de Carvalho

    Rib de Pena - Casa do Barroso

    - Museu de Venda Nova – como já dito, era neste lugar de Venda Nova que estava sediado o concelho de Ribeira de Pena. As convulsões políticas fizeram com que a sede se deslocasse para o lugar do Rosário, junto à Igreja Matriz, a partir de onde se desenvolveu a vila de Ribeira de Pena. O edifício que albergava os Paços do Concelho, em Venda Nova, foi convertido no Museu de Venda Nova, com um Centro de Interpretação do Ecomuseu, a partir do qual podem ser conhecidos a história, a arte, as tradições, o folclore, tudo o que constitui a identidade local quer do território, quer das pessoas.

    Rib de Pena - Museu de Venda Nova               Rib de Pena - Museu Venda Nova - o tear

    - Eira de Lamelas – trata-se de um rochedo de grandes dimensões, praticamente plano, no pinhal de Lamelas, todo coberto de símbolos, gravuras rupestres compostas por cruzes, formas geométricas, linhas, covinhas, que terão sido gravadas desde o Neolítico, há 5000 anos. Fica a cerca de 100m do Parque de Lazer de Lamelas, perto de Ribeira de Pena.

    Rib de Pena - Eira de Lamelas              Rib de Pena - Eira de Lamelas-gravuras

    - Necrópole da Póvoa – é um conjunto de sepulturas cavadas na rocha que terá tido origem num povoado pré-histórico e que fica perto da aldeia de Póvoas

    Rib de Pena - Necrópole de Póvoa

    LUGAR DE FRIÚME – onde viveu Camilo Castelo Branco e onde fica a - Casa de Camilo Castelo BrancoCamilo Castelo Branco, que retratou os locais e as gentes de Ribeira de Pena, tinha cerca de 15 anos quando chegou a este concelho, vindo de Vilarinho de Samardã, sua terra natal , no concelho de Vila Real. Foi viver com uma prima, Maria do Loreto, casada com um lavrador de Friúme e aí foi instruído, em muitos aspetos da vida local – caçou, pescou mas também teve lições com o Padre Manuel da Lixa, na Granja Velha tendo chegado a ser amanuense do tabelião. Casou na Igreja do Salvador, em Ribeira de Pena e, aproveitando a disputa com um morgado que tinha ridicularizado “em versos”, saiu de Ribeira de Pena. Foi, assim, para outras paragens mas a sua produção literária, retratou os sítios e as gentes do concelho, enquanto lá viveu e mesmo posteriormente.
    Friúme teve, nesta altura, alguma importância por via da sua localização na estrada que ligava Vila Real ao Porto e a Guimarães – por ali passava todo o comércio, todas as mercadorias e a terra funcionava como um entreposto, tendo-se desenvolvido bastante, dispondo mesmo de boticário, tabelião e ainda uma loja de certa importância, pertencente a um comerciante do Porto que para ali tinha fugido com a família, por causa do cerco do Porto e das lutas entre liberais e absolutistas. Foi nesta localidade que Camilo viveu cerca de dois anos. Foi aqui que conheceu a sua mulher, D. Joaquina, que desposou aos 16 anos (ela tinha 14) por várias ordens de razões, uma das quais seria poder tomar posse da herança do pai.
    Hoje, Friúme não tem a importância que tinha naquele tempo, conserva, no entanto, para poder ser visitada, a casa onde Camilo viveu com a esposa.

    Rib de Pena - Casa de Camilo-Friúme                Rib de Pena - Camilo Castelo Branco

    Freguesia de Alvadia
    - Ponte de Rolos, sobre o rio Póio – tem, junto à ponte, uma praia fluvial de águas límpidas, que atrai muitos visitantes. Nas imediações da ponte, podem ver-se as rochas esburacadas pelas águas do rio. No mesmo rio funcionavam moinhos.

    Rib de Pena - Ponte de Rolo - Alvadia             Rib de Pena - Rochas eburacadas - rio Póio

    - Pedra de Anta ou Anta de Alvadia – é um menir com 4,30 m de altura que, presentemente se encontra deitada.

    Rib de Pena - Pedra de Anta ou Anta de Alvadia

    - Pedra de Favais - é uma escultura que mostra três anjos – um a tocar e os outros a ouvir a música. Está frente à Capela de Stª Luzia. Outrora estava lá dentro, mas um padre mandou levá-la para Alvadia. O povo de Favais foi busca-la e deixou-a naquele local para que pudesse estar mais facilmente vigiada.

    Rib de Pena - Pedra de Favais - Alvadia

    - Igreja Paroquial de Alvadia
    - Capela de Nª Srª dos Remédios
    - Capela de Stª Luzia

    Freguesia de Canedo
    - Igreja Matriz – tem elementos góticos. Faz um belo conjunto com os edifícios que a rodeiam pelo que se conclui que terá sido, na altura da fundação, um convento beneditino.
    - Castro do Lesenho – fica na zona mais elevada da freguesia de Canedo. Parte do Castro pertence ao concelho de Boticas. É um povoado de grandes dimensões que tem ainda vestígios das cinco linhas de muralhas que tinha. Duas rodeavam-nos por completo. Ainda foi ocupado durante a Idade do Cobre, teve certa importância durante a Idade do Ferro e existia ainda durante a ocupação romana.

    Rib de Pena - Castro do Lesenho - Canedo

    - Capela de Nª Srª de Fátima
    - Capelas de Fonteios, de S. João, de Stª Bárbara, de Stª Ana, de Stº Amaro, de Nª Srª da Livração
    - Cruzeiros e Alminhas
    - Calvário
    - Ponte Manuelina
    - Relógio de Sol
    - Casa da Ponte e Casa dos Paulos

    Freguesia de Cerva e Limões

    - Pelourinho de Cerva – MN

    Rib de Pena - Pelourinho de Cerva

    - Igreja Matriz de Cerva, cujo orago é S. Pedro

    Rib de Pena - Igr. Matriz - Cerva

    - Ponte Românica de Alvite

    Rib de Pena - Ponte românica de Alvite - Cerva

    - Ponte românica de Louredo

    Rib de Pena - Ponte românica do Louredo- Cerva

    - Moinhos do Bustelo
    – ao longo do rio Louredo

    Rib de Pena - Moinhos do Bustelo-Cerva

    - Castro de Cabriz – fica perto do rio Póio, no sítio onde termina a descida do Alvão. O povoado terá sido ocupado durante a idade do cobre, tendo-se a ocupação prolongado até à época romana.

    Rib de Pena - Castro de Cabriz - Cerva

    - Casas Brasonadas
    - Igreja de S. João Batista, de Limões

    Rib Pena - Igr. S. João Baptista- Limões

    - Cruzeiro
    - Relógio de Sol
    - Capela de Tojais
    - Museu do Linho – fica em Limões, na sede do Grupo de Tecelagem de Limões e tem como objetivo preservar, promover e dinamizar as tradições, o conhecimento do trabalho artesanal do linho e, se possível, valorizar esta arte do tratamento e manufatura de artigos de linho. Aos visitantes é dado a conhecer, não só a planta, como o seu desenvolvimento, tratamento, até obter o fio que, depois é tecido com a mestria que pode ser verificada “in loco”

    Rib de Pena - Museu do Linho - Limões

    Freguesia de Stª Marinha
    - Solar de Stª Marinha
    – fica na sede da freguesia, ao lado da Igreja Matriz. É umas Mansão que foi edificada na 1ª metade do séc. XVI, tendo sofrido várias reconstruções ao longo dos séculos, nomeadamente no séc. XIX, em que o 1º Barão de Ribeira de Pena mandou reedificar a ala norte e construir uma bela e enorme cozinha.
    Ao contrário da maioria das casas solarengas, o brasão está na fachada lateral sul. Tem valioso espólio histórico-literário de que fazem parte documentos que comprovam a história e genealogia de famílias mais importantes do norte e nordeste de Portugal. Frente ao palácio, onde era outrora o picadeiro, está um fabuloso jardim de camélias. Hoje o solar pertence à família de Francisco Botelho, que muito escreveu sobre o concelho.

    Rib de Pena - Solar de Stª Marinha-Stª Marinha

    - Capela de Nª Srª da Conceição – no lugar de Granja Velha, data do séc. XVIII, em estilo barroco rural, foi também uma emigrante no Brasil que financiou a construção. Numa das fachadas tem a pedra de armas do benemérito e, um acesso lateral do exterior ao coro, em granito. Dentro, tem belo altar em talha dourada, com belíssimo sacrário e uma imagem de Nª Srª da Conceição, obra prima do barroco. No teto do altar mor vê-se uma bela pintura “ingénua” que se pensa ser do séc. XIX e que é digna de nota.

    Rib de Pena - Igr. Nª Srª Conceição - Stª Marinha

    - Capela de Nª Srª da Guia – no miradouro da Fonte do Mouro, numa das encostas da Serra do Alvão, sobre o vale do Tâmega. Foi construída na primeira metade do séc. XVIII, por “devoção e voto” dos senhores da Casa de Stª Marinha e da Casa do Mato. É barroca, com o cunho rural, tendo um portal encimado por um nicho com a imagem da Srª da Guia. Tem, na fachada um pormenor que a liga ao seu construtor, que era galego e que colocou uma concha em granito, no topo da fachada, como em Santiago de Compostela – no interior pode ver-se talha policromada, com alguns apontamentos de dourado, o altar restaurado há pouco tempo e o teto em granito, com caixotões sem qualquer imagem.

    Rib de Pena - Capela de Nª Srª da Guia - Stª Marinha

    - Igreja Matriz de Stª Marinha – data do séc. XVII. Tem, no interior o túmulo com brasão dos Pacheco de Andrade. Na parede sul tem um arco que se supõe ser um resto de uma pedra tumular, com inscrição gótica e uma ara com inscrição romana dedicada a Júpiter.

    Rib de Pena - Igr. Matriz de Stª Marinha

  • Gastronomia

    A gastronomia, que apresenta caraterísticas tanto do Minho como de Trás-os-Montes, beneficia da qualidade e genuinidade dos produtos da atividade agrícola e criação de gado.
    Como pratos típicos temos o cabrito assado, a vitela maronesa, as couves com feijão, os milhos ricos e pobres (dependendo do tipo de carne que acompanham), as trutas do rio Beça, a fritada de peixes do mesmo rio, acompanhado de arroz das vessadas*. A broa de milho e os enchidos dos porcos bísaros criados, têm também o seu lugar neste leque de pratos tradicionais. O javali, a lebre e a perdiz são os pratos de caça que se podem encontrar.
    Depois de um belo prato destes, para adoçar a boca, temos umas morcelas doces, sarrabulho doce, chila no forno ou mesmo as maçãs Pipo Basto.
    O vinho verde produzido na região, branco ou tinto, dá um toque de mestre a uma refeição em Ribeira de Pena.

    *Vessada – atividade que consiste na sementeira de batatas ou milho, com alfaias de tração animal – arado e grade. Aproveitava-se para, semear também couves e abóboras.

    Rib de Pena - Uma bela refeição             Rib de Pena - As coisas saborosas da Terra

  • Feiras, Festas e Romarias

    - Romaria de Nª Srª da Guia – Stª Marinha, alto da Fonte do Muro - 15 de Agosto
    - Festa do Divino Salvador e da Srª das Angústias - Ribeira de Pena- 1º fim de semana de Agosto
    - Festa de Balteiro, freguesia de Ribeira de Pena
    - Festa de Santo Aleixo – Stº Aleixo de Além Tâmega – 17 de Julho
    - Festa de S. Pedro – Cerva e Bragadas – 29 de Junho
    - Festa da Rainha dos Anjos – Stº Aleixo de Além Tâmega – 2º fim de semana de Agosto

  • Acessos e Distâncias
    LISBOA  410 km PORTO  104 km
    Aveiro  171 km Guarda  206 km
    Beja  546 km Leiria  279 km
    Braga    78 km Portalegre  389 km
    Bragança  155 km Santarém  343 km
    Castelo Branco  298 km Setúbal  443 km
    Coimbra  216 km Viana do Castelo  131 km
    Évora  502 km Vila Real    50 km
    Faro  646 km  Viseu  132 km
  • Itinerários Possíveis

    Itinerário 1
    Ribeira de Pena (A) – Santo Aleixo de Além Tâmega (B) – Friúme (C) – Fonte do Mouro (D) – Santa Marinha (E) – Ribeira de Pena (F)
    Visita de Ribeira de Pena, e de todo o seu património. Visita também do património das freguesias e lugares indicados, nomeadamente Fonte do Mouro (com a Capela de Nª Srª da Guia, eventualmente a romaria) e o seu miradouro, desfrutando das paisagens deslumbrantes.

    Total de km – 23 km
    Tempo de percurso –33 minutos, só o tempo de condução
    Estradas – por estradas nacionais e municipais

    Rib de Pena - Itinerário 1

    Itinerário 2
    Ribeira de Pena (A) – Cavez (B) – Cerva (C) – Alvite (D) – Cabriz(E) – Limões (F) - Ribeira de Pena (G)

    Apreciar o património de Ribeira de Pena, o das outras freguesias e lugares, os campos tão bem cuidado e a paisagem em geral.

    Total de km – 48 km
    Tempo de percurso – 1 hora e 04 minutos, só o tempo de condução
    Estradas – por estradas nacionais e municipais

    Rib de Pena - Itinerário 2

    Itinerário 3
    Ribeira de Pena (A) – Póvoa (B) – Alvadia (C) – Viduedo (D) – Bustelo (E) – Ribeira de Pena (F)

    Apreciar o património de Ribeira de Pena, o das outras freguesias e lugares, a paisagem dos sítios por onde passa, com a Serra do Alvão ali tão perto.

    Total de km – 39 km
    Tempo de percurso – 1 hora e 08 minutos, só o tempo de condução
    Estradas – por estradas nacionais e municipais

    Rib de Pena - Itinerário 3

    Itinerário 4
    Ribeira de Pena (A) – Canedo(B) – Castro do Lesenho (C) – Canedo (D) – Bragadas(E) – Ribeira de Pena (F)

    Destina-se este itinerário a visitar a freguesia de Canedo e o Castro do Lesenho. Na volta, uma visitinha a Bragadas. Já em Ribeira de Pena, visitar a Eira de Lamelas, próximo do Parque de Lazer do mesmo nome, nas imediações da sede de Concelho.

    Total de km – 84 km
    Tempo de percurso – 1 hora e 48 minutos, só o tempo de condução
    Estradas – por estradas nacionais e municipais

    Rib de Pena - Itinerário 4

     

  • Parceiros ACP

    PARCEIROS ACP
    Abaixo estão os links para todos os parceiros existentes no Distrito deVila Real, a que Ribeira de Pena pertence, e que oferecem descontos aos sócios, mediante a apresentação do cartão de sócio.


    - Hotéis
     - Solares
    - Turismo Rural
    - Restaurantes

     

scroll up